O CORAÇÃO BATE À ESQUERDA

Julho 19, 2018

O CORAÇÃO BATE À ESQUERDA!

Um panfleto

I. Neste início de século, as questões da relação das guerras capitalistas ou das formas específicas, objectivos e consequências políticas da guerra no capitalismo – as «novas guerras» com as suas ligações entre tecnologias modernas e barbáries «arcaicas», intervenções estrangeiras e antagonismos endógenos – estão omnipresentes no mundo globalizado, reactualizando a «guerra de todos contra todos» (Hobbes). Em 2018, comemora-se o centenário do fim da 1ª GM. Desde aí, que a experiência de profundas crises económicas e sociais, com o seu cortejo de violência e destruição de pessoas e natureza, caracteriza o séc. XX. As visões dos finais dos anos 80, propagandeadas pelo mainstream – uma sociedade internacional, na qual os direitos humanos e o direito internacional determinariam cada vez mais as relações sociais internas e externas dos Estados – revelaram-se um completo fracasso. Desde a «nova era», sucederam-se as «intervenções militares» – a que as potências agressoras se recusam a chamar o que na realidade são: guerras – em Granada, Líbia, Jugoslávia, Afeganistão, Iraque, Gaza, Síria… A agudização das contradições económicas que se constatam na crescente divergência entre pobreza e riqueza, quer no seio das sociedades, quer entre sociedades, aumentou sensivelmente o perigo de eclodirem novas guerras de com enorme potencial destrutivo. Esta agudização demonstra, de novo, a estreita relação entre crise capitalista e guerra. O aumento do orçamento de «defesa» dos países da NATO para 2% do PIB é uma boa nova para a indústria de armamento, mas péssima para os povos.

Leia o resto deste artigo »

Anúncios

Os cartazes das Toupeiras 2016: Quem Semeia Guerras, Colhe Refugiados!

Junho 1, 2018


ZECA AFONSO, SEMPRE!

Fevereiro 25, 2017

zeca-afonso


Oskar Schlemmer: Das triadische Ballet

Dezembro 25, 2014


As Toupeiras de Cláudia Varejão – 25 de ABRIL de 2014

Dezembro 9, 2014

Annete Messager: púdico/público

Outubro 25, 2014

Fotografou pretensos amantes, fragmentos de corpos anónimos e fracassos da cirurgia plástica, bordou provérbios machistas e transformou bonecos de peluche em monstros fofinhos: Annete Messager a Grand Dame da arte francesa.

 

 


Annete Messager

Outubro 25, 2014